Predict your next investment

Angel Investor (Individual)

See what CB Insights has to offer

Investments

3

About Renato Freitas

Renato Freitas Headquarter Location

Predict your next investment

The CB Insights tech market intelligence platform analyzes millions of data points on venture capital, startups, patents , partnerships and news mentions to help you see tomorrow's opportunities, today.

Latest Renato Freitas News

A Mottu quer ser a Localiza dos motoboys. Elie Horn e José Galló estão na garupa

Feb 13, 2020

Pedro Arbex O fundador da Cyrela, Elie Horn, o ex-CEO da Renner, José Galló, e os fundadores da 99 e da Yellow, Ariel Lambrecht e Renato Freitas, estão apostando numa startup que aluga motos para entregadores de aplicativos, uma derivada do crescimento dos Rappis e iFoods. Fundada por Rubens Zanelatto — um ex-analista na GP Investimentos e na antiga ALL — a Mottu tem 200 motos em São Paulo, mais de 3 mil motoboys cadastrados na plataforma e está alugando duas motos por dia desde que começou a operar há duas semanas. A startup já estuda levantar um investimento ponte e uma Série A até o final do ano. “Os marketplaces estão super capitalizados e numa corrida do ouro para ver quem cresce mais rápido,” Zanelatto disse ao Brazil Journal . “Eles estão expandindo numa velocidade tão rápida que o ritmo de entrada de motoboys em sua base não tem acompanhado.” Hoje, há mais de 1,5 milhão de motoboys no Brasil, mas apenas 10% deles trabalham para aplicativos de entregas. A previsão de Zanelatto é que em poucos anos essa proporção mude drasticamente, na medida em que os pedidos de delivery hoje feitos por telefone migrem para os apps. Apesar de não ser a pioneira no aluguel de motos, a Mottu é a primeira a fazer isso para os entregadores de aplicativos, num modelo parecido com o das companhias de ‘rent a car’. A Mottu compra as motos em escala e com desconto e depois monetiza os ativos com alugueis mensais (o pagamento é feito semanalmente para casar com o fluxo de pagamento dos aplicativos). A grande diferença entre ela e empresas como Localiza e Movida é que a startup não terá um business de revenda. Ela vai usar as motos até sua capacidade máxima, e depois desmobilizar o ativo (usando inclusive peças das motos antigas para a reposição da frota em circulação). Zanelatto explica que o grande desafio do negócio é a inadimplência (já que a maioria dos motoboys sequer tem avaliação de crédito) e a alta incidência de roubos de motos (um veículo mais fácil de roubar e mais atrativo, já que a demanda por peças no mercado paralelo é alta). Para mitigar esse risco, a Mottu optou por comprar uma marca que circula apenas no Norte e Nordeste do País — em tese menos visada pelos criminosos (a empresa guarda segredo sobre o fabricante). Além disso, desenvolveu um sistema proprietário de recuperação e monitoramento da frota que usa inteligência artificial para garantir a segurança dos ativos. Na parte da inadimplência, a startup faz uma análise minuciosa de seus potenciais clientes, criando o que ela chama de um score social, onde analisa o perfil do motoboy — por exemplo, se é casado e tem filhos. No processo, Zanelatto às vezes coloca o pé na estrada: na semana passada, viajou 80 km para conhecer um dos motoboys que queria alugar uma Mottu. “Fui na casa dele pra entender melhor o perfil do cara e se fazia sentido alugar pra alguém que mora a 80 km de São Paulo.” Segundo ele, as motos são apenas o primeiro passo: a Mottu quer oferecer serviços para os motoboys e depois entrar no aluguel de outros veículos, posicionando-se como ‘a’ empresa que resolve os problemas de delivery do Brasil — uma fila que só cresce. Fugindo do padrão típico do empreendedor num mundo de capital abundante, Zanelatto promete que vai chegar ao breakeven “muito rápido.” “Nossa tese é que todo custo fixo da empresa seja bancado pelo aluguel das motos,” diz ele. “Não queremos ser mais uma startup que fica levantando capital e queimando caixa... Estamos aqui pra fazer dinheiro, não pra gastar.”

Renato Freitas Investments

3 Investments

Renato Freitas has made 3 investments. Their latest investment was in FestaLab as part of their Seed VC on May 5, 2020.

CBI Logo

Renato Freitas Investments Activity

investments chart

Date

Round

Company

Amount

New?

Co-Investors

Sources

5/6/2020

Seed VC

FestaLab

$1.5M

Yes

4

12/9/2019

Pre-Seed

Subscribe to see more

$99M

Subscribe to see more

10

9/20/2019

Seed VC

Subscribe to see more

$99M

Subscribe to see more

10

Date

5/6/2020

12/9/2019

9/20/2019

Round

Seed VC

Pre-Seed

Seed VC

Company

FestaLab

Subscribe to see more

Subscribe to see more

Amount

$1.5M

$99M

$99M

New?

Yes

Subscribe to see more

Subscribe to see more

Co-Investors

Sources

4

10

10

CB Insights uses Cookies

CBI websites generally use certain cookies to enable better interactions with our sites and services. Use of these cookies, which may be stored on your device, permits us to improve and customize your experience. You can read more about your cookie choices at our privacy policy here. By continuing to use this site you are consenting to these choices.